ce-go-te

Janeiro 30, 2011

Tens à mão um desses olhares de algibeira ou uma notória devoção de indegestos mal entendidos que somente se apresam aquando de fundem em pós de santo?

Por acaso as mesmas são outras ou iguais na diferença indefinida de serem?

Quem colocou tantas vezes a mesma coisa neste lugar que nunca existe?

Se me dessem a escolher entre ser daqui e dali eu ficaria sem acolá para além.

Se a fossa é suave, alguém ressacou nela?

Tantas?

A inimaginável é um sonho?

Flávio Andrade

Anúncios

beijo beijo desejo beijo…

Janeiro 30, 2011

Muda de vida

Janeiro 27, 2011

Letra de António Variações

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens…que ser assim?…

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens… que ser assim?…

Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver
Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar


Cama

Janeiro 27, 2011

A cama se faz e desfaz,
dorme-se, come-se e despe-se.
Aquece-se e transpira-se.
Adoece-se e cura-se.
Quente, sente-se.
Vende-se e compra-se.
Nasce-se, vive-se e morre-se.

Sonhos, amores e prazeres sem fim.
Almofadas e lençóis.
Beijos, olhares, afins.
Abraços, sorrisos e caricias.
Cama, caminha, minha, tua.
Vai e vem de fluidos, jasmim.
Encontros e reencontros.
Metáforas, hipérboles, sim.
Abrigo e nascimento.
PROCRIAÇÃO.
Ilusões, desilusões.
De noite ou de dia.
a cama faz parte…

Flávio Andrade


À noite…

Janeiro 25, 2011

Um recheio de doces numa mesa de especiarias.
Um camarão caril presenteia lábios.
Um Basmati branco desliza em grãos.
Um suco na alma alimenta os copos.
Um vento incendeia olhares.
Um frio aquecido em chama.
Um degustar toca.
Um de dois diz-se cúmplice.
Um beijo reclama-se.
Um amor à espera…
Um som em melodia espreme.
Um prazer em sintonia.
Um toque teme-se febril.
Um apertado entrelaço de braços.
Um gemer de suspiros.
Um bater de galhos na nuvem.
Um desejo.
Tu.

Flávio Andrade


sentindo

Janeiro 12, 2011

eu apenas
humano alma
fogo voar
terra amar
tanto é
num esgar
eu apenas

Flávio Andrade


SMS*

Janeiro 12, 2011

Uma borboleta pousou na tua almofada e sussurrou-te: entrelaça-te em mim na nuvem beijo.

Há um lugar que te espera num aconchego de arco iris.

Um nenúfar azul em estrela na pantufa nuvem.

Sons de pássaros livres ao encontro de um voo, aqui sente-se sonhando…

Um sabor de chuva em lençóis de cetim entrelaçados pingam-se ao amor.

Em ti ao som de lábios de morango mágico, beijo.

*(SMS): Sentindo Muita Saudade

Flávio Andrade