Declive

Maio 12, 2016

A noite aperta o frio
e os corpos contraem-se.
Há que deixar o amanhecer madrugar um sorriso quente.
Só assim a dor se dissipa numa cordilheira de espasmos.
Fixo o olhar e num esgar acordo.
O cobertor socorre-me várias vezes,
e um dedo liberta-se na montanha coberta
e renasce a coceira do lábio inferior…

Ela tem na mão a caixa onde guarda as emoções,
espelha-se um ruído de dentro,
no fundo a fechadura está perra,
mas a força contida na caixa é soberba
e quer-se libertar.
Imagens de paixão elevam-se na mente.
A energia é tal que por momentos                                                     sente-se um zumbido,
Ah! Grita!
É a magia da noite que revela mais um sonho acordado.

Flávio Andrade


A primeira coisa é o desejo

Fevereiro 8, 2016

Beijar.
Saborear.
Os teus lábios.
A tua língua…
Sentir-te a vibrar.
Cheirar-te e lamber o teu pescoço,
sentir-te, ainda mais…
Tocar-te nos seios e nos mamilos
perceber que estas molhada,
excitada.
Roçar o meu corpo no teu,
sem pressão, ao de leve.
As minhas mãos nas tuas costas,
levemente.
Na nuca, no cabelo.
Por de trás de ti.
Sentir-te arrepiada,
Os mamilos duros,
a estremeceres…
Descer por detrás
e lamber-te as coxas,
as nádegas.
As minhas mãos,
tocam-te na cintura.
Viro-te…
Lambo o teu clitoris,
introduzo-os no ponto G.
Só páro quando estiveres
completamente nas minhas mãos
deliciosamente,
com orgasmos vitoriosos.
Assim sentir-me-ei feliz,
e tu presenteada.
Quando disseres pára…
Continuo até tremeres completamente.

Flávio Andrade


Selva

Junho 2, 2015

Rosna a insensatez,
pertinho do ouvido
surdo de asneiras.

Descalça em paladar
engravata-se em silêncio,
a decência na nudez.

Gritos nas folhas
penteiam a consciência,
embebida de falsidades.

Realmente em segundos
pedragulhos suaves,
picam o olfato.

Nada resta em si,
uma distração, luta
segura e firme.

O olhar, esgueira-se
na razão da terra,
fresca e madura, piso.

Quantificam-se os dedos,
fiascos de sentinelas,
passeiam em fuga.

Vou ali um pouco…
Flávio Andrade 2015


Janeiro 10, 2015

10931460_10203662381022549_6957066671915951653_o

GENTE MUITO CÁ DE CASA | A exposição abre hoje, na Casa Da Cultura | Setúbal. São retratos dos convidados Muito cá de casa. Mas acima de tudo vamos lembrar os autores assassinados em Paris. Gente com ideias e sem medo de as revelar. Gente que também é muito cá de casa. Vamos estar todos juntos contra a intolerância religiosa. Contra a estupidez, portanto. Vamos ser todos CHARLIE.
www.blogoperatorio.blogspot.com


Energia

Julho 31, 2014

384193_488612471161096_1953911788_n


Workshop de Fotografia – retrato de rua

Julho 10, 2014

cartaz-retrato


Exposição de Fotografia de Flávio Andrade

Fevereiro 3, 2014